A importância das boas práticas de higiene em um cenário de pandemia

Conheça a importância de se ter boas práticas de higiene.

Categoria: blog.Categoria.None
by: Ednaldo Sebastião

As boas práticas de higiene envolvem comportamentos que todos os estabelecimentos devem adotar, independente se estamos vivendo uma pandemia ou não, pois evita a contaminação de diversos vírus.

Diante do combate contra a contaminação do covid-19, as medidas de higienização e precaução estão sendo mais evidentes e necessárias. Dessa forma, as empresas da área alimentícia, que continuam funcionando, precisam trabalhar em cima de um programa intenso de Boas Práticas de Higiene, desde a produção até a entrega do produto final.

Em um exemplo de uma determinada pizzaria no Rio de Janeiro, as vendas no delivery aumentaram 250% em uma semana. Assim, é perceptível o aumento discrepante dos pedidos de comida via delivery em todo o Brasil, o que é diretamente proporcional ao aumento do risco de uma maior contaminação.

A partir disso, se torna mais importante ainda a adoção de medidas de prevenção para evitar a proliferação do vírus.

Nesse post você vai entender algumas práticas de higiene que devem ser aplicadas em seus estabelecimentos alimentício. Com a finalidade de deixar sua produção muito mais segura e confiável, assim como, assegurando o atendimento às normas da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Uma das maneiras de garantir as Boas Práticas de Manipulação do seu alimento é usando adequadamente o Manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF).

Este Manual engloba todas as descrições e procedimento da sua produção, assegurando que seu estabelecimento não esteja correndo risco de contaminar seu produto e possíveis indenização ou até fechamento da sua empresa.

Portanto, o intuito deste post é fazer com que você entenda melhor sobre a importância do BPF e algumas medidas de prevenção que seu estabelecimento alimentício deve ter, principalmente, em um período de pandemia.

 

Porque as boas práticas de higiene são importantes?

A produção de alimentos diante dessa pandemia está encontrando cada vez maiores desafios para cumprir todos os requisitos que garantam a qualidade do produto final e segurança dos funcionários.

Isso está relacionado diretamente ao uso aperfeiçoado e contínuo do Manual de Boas Práticas de Fabricação. Uma vez que este manual atende todos os requisitos estabelecido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

O manual tem o intuito de garantir a segurança alimentar e profissional, evitando a probabilidade de funcionários adquirirem alguma doença por contaminação de algum produto, equipamento e/ou utensílios.

Além disso, proporciona a padronização dos processos do estabelecimento.

Com a Boas Práticas de Fabricação, é possível se livrar de eventuais problemas que possam gerar risco de contaminação do produto e/ou ainda manchar a imagem da empresa.

 

Os 5 principais pontos das Boas Práticas de Fabricação           

Aqui estão 5 pontos importantes de como ter boas práticas e como fazer para evitar possíveis contaminações, independente se o cenário é de pandemia:

1. Uso de Equipamentos de Proteção Individual:

O uso desse Equipamento de Proteção Individual, conhecido como (EPIs) evitará a contaminação direta entre os funcionários e os respectivos alimentos, como também, queimaduras, cortes e/ou perfuração.

Além disso, é exigido pela Vigilância Sanitária o uso de EPIs quando se trata de manuseio de alimentos.

Para evitar esse tipo de situação, deve-se utilizar luvas de proteção, toucas, máscaras, aventais, calçados e/ou botas de segurança.

2. Higienização de Equipamentos, instalações e utensílios:

Está higienização é muito importante, pois auxilia na remoção da carga bacteriana da superfície de contato.

Deve ser estabelecido diariamente está higienização de equipamentos, instalações e utensílios antes do horário de produção.

Um exemplo muito comum de produto para este tipo de limpeza é o uso de água sanitária.

3. Saúde dos colaboradores:

Em relação a saúde dos funcionários, é necessária uma planilha para controlar os resultados dos exames (por exemplo, hemograma e outros complementares necessário).

Além disso, é estabelecido um acompanhamento diário para analisar se há presença de algum ferimento, especificamente lesões, cortes, canto de unha, entre outros.

E em caso de existência de algum desses ferimento, deve ser alocado para outras atividades que não exija o manuseio de alimentos e em casos graves é preciso o encaminhamento para o médico responsável da empresa.

4. Controle de vetores e pragas:

Estabelecer um controle integrado de vetores e pragas, pois pode ocasionar danos materiais ou risco de contaminações à saúde pública.

Tem a finalidade de eliminar ou evitar a presença de pragas urbanas em seu estabelecimento e para isso é recomendado o uso de telas milimétricas.

5. Placas de identificação:

Estas placas de identificação são fundamentais para o uso correto e contínuo de algum tipo de tarefa, tais como lavar as mãos corretamente.

Neste caso é essencial que tenha o uso de placas de identificação exemplificando os passos de como lavar as mãos da melhor maneira possível.

Com isso, consegue-se garantir que todas as vezes que a prática for realizada, estará ocorrendo da forma correta.

 

Aqui foram citados os pontos principais do BPF e algumas práticas de higiene que estão contidas no nosso Manual de Boas Práticas de Fabricação.

Dessa forma, é necessária a construção de planos de ação para cada não conformidade do estabelecimento, levando como base o que é exigido por meio de normas de segurança previstas em lei.

 

Como destrinchar as atividades dos planos de ação

Neste caso, para melhor a execução dos planos de ação, conhecido como (PAs), é necessário estabelecer um Procedimento Operacional Padrão (POP) com a finalidade de padronizar um roteiro para a realização de cada atividade.

Antes de tudo, deve-se descrever todas as atividades do procedimento e elencar datas de entregas e entre outros, e em seguida documentar ou até mesmo criar uma arte em um mural com todas as informações.

Neste documento deve ter os atuais responsáveis, os passos de cada procedimento e a sequência de realização.

Essas medidas devem ser seguidas com rigidez em todas as etapas do processo, pois vão garantir que a empresa não tenha prejuízo e problemas futuros com a sua reputação.

 

Segurança alimentar

Como citado anteriormente, todas as etapas do plano de ação dependem do estabelecimento. Por exemplo, as exigências em relação a segurança alimentar serão implementadas de acordo com o órgão regulamentador.

Vale salientar que esse contexto é baseado na “exigência mínima” para que não tenha nenhum risco de contaminante em seu respectivo alimento. Sendo assim, não colocaria em risco a saúde do consumidor.

Caso contrário, estaria colocando em risco a saúde pública e a imagem da empresa.

Em concordância com a segurança alimentar. Trará uma maior confiança ao uso dos respectivos alimentos.

 

Confiança ao consumo dos respectivos alimentos

Relaciona-se com a decisão de compra do consumidor.

Isso quer dizer que deve ser trabalhada de modo a chamar a atenção do público garantindo as características sensoriais do produto. Para que possam adquirir o produto sempre com a mesma qualidade.

 

Quer saber mais sobre a importância de Boas Práticas de Fabricação ou dicas de segurança na sua cozinha? Fale com um de nossos consultores entrando em contato pelo email - contato@nuteq.com.br ou pelo whatsapp - (84) 99967-2250.

 

Veja textos relacionados: